terça-feira, 13 de setembro de 2011

Eu disse pra revidar!

Disse mesmo! Na hora do sangue quente eu disse pra Julia revidar. Julia não é de levar desaforo pra casa, ela se defende e defende os amigos quando o opositor é do mesmo tamanho ou maior que ela. A Rozana, professora dela, já me falou que vê a hora os meninos se juntarem pra bater nela. Mas, apesar de saber se defender, quando o opositor é uma criança menor, a Julia não faz nada, ela respeita como se tivesse medo de machucar. Isso eu já vi acontecer várias vezes, o máximo que ela faz é me chamar pra eu intervir mas de fato ela não bate e eu acho isso muito bacana até porque aqui a gente não incentiva a violência, muito pelo contrário, a gente diz que é bobeira e incentiva o diálogo sempre.

Mas, na escola, tem uma menininha que anda torrando a paciência da Julia enquanto ficam brincando depois da aula. A menininha em questão tem 3 anos (acabou de completar), mas está no Infantil II e a Julia está no Infantil III (e a Julia acha que as crianças que estão no Infantil II são bebês......rsrsrsrs). Mas a menina é "uma benção". Sobe em tudo e gosta de se meter no meio das brincadeiras dos outros pra atrapalhar. Eu não digo nada e procuro orientar a Julia a ser educada sempre. Por exemplo, outro dia a Julia estava brincando no escorregador e ela, sempre que via a Julia se sentando para descer, tratava de subir pelo escorregador (não pela escada) e muitas vezes parava no meio. Eu sempre ensinei a Julia que quando tem um amiguinho no escorregador ela não deve descer para ninguém se machucar, então a Julia ficava pedindo licença à menina e ela insistia em ficar no meio. A "santa mãezinha desse anjo" nesses momentos está sempre sentada num banco, mexendo no iphone, e não está nem aí para o que os filhos (tem um menino mais velho também) estão fazendo. Eu procuro não me meter, acho que as crianças tem que resolver entre elas mesmo, mas confesso que tenho vontade de chegar na mãe e tomar o iphone da mão dela pra ver se ela se lembra de orientar os filhos......

Bom, esse comportamento da menininha de atrapalhar as brincadeiras da Julia já vinha se repetindo há uns dias até que um belo dia a menininha jogou areia na Julia. Julia não fez nada, só veio pra perto de mim e contou (meio chorosa) o ocorrido. A mãe da menininha, do meu lado, nem se mexeu, continuou  brincando com o iphone e eu fiquei com o sangue fervendo. Meu sangue ferveu não pelo fato dela ter jogado areia na Julia, isso é coisa de criança e a minha filha pode fazer também. O que me irritou foi a mãe não ter atitude nenhuma porque embora seja coisa de criança, a mãe tem que orientar, tem que falar que não se joga areia (e nem coisa nenhuma) nos outros e pedir à filha pra pedir desculpas pelo que fez. Eu acho que isso era o mínimo!

Julia ficou extremamente chateada com o ocorrido, primeiro porque estava com sono e depois porque ela estava toda linda com a roupa rosa de ballet e a roupa ficou suja de areia. Ela veio pra casa chorando e reclamando o tempo todo que a amiguinha fez bobeira....... Aquilo foi me irritando de um jeito que eu não aguentei e falei: "da próxima vez que ela fizer alguma bobeira com você, você faz com ela também. Nunca seja a primeira a fazer, mas se ela fizer com você, pode fazer com ela." 

Imagem retirada de:
abismodasvaidades.blogspot.com


Disse e não me arrependo. Já em casa, bem mais tarde, quando o pai chegou, contou pra ele ainda com a voz bem chateada e não gosto de ver minha filha assim. Se tivesse sido um caso isolado, eu nem daria atenção. Inclusive uma vez Julia chegou em casa com a cabeça cheia de areia e quando eu perguntei o que tinha acontecido, ela me falou numa boa que um amiguinho tinha jogado areia nela. Mas o caso é que essa menina vem repetidamente afrontando a Julia e a mãe faz de conta que não está vendo nada. Como jamais eu vou tomar satisfações com a criança, autorizei a Julia a revidar, assim as duas se entendem. Fiz certo? Não sei, mas fiz o que meu coração mandou na hora.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

8 comentários:

Diana disse...

Agora quem ficou revoltada fui eu!!!! E fez certo sim!!! Eu vivia apanhando de um menino lá da rua... INha eu chegava em casa toda mordida... o menino me mordia que sangrava acredita???? E sempre ficava por isso mesmo... um dia a gente tava andando de bicicleta na calçada e ele pegou a minha... ai a mamae disse: pegue a bicicleta dele... eu disse que ele ia me bater e a mamae disse pra eu pegar a bike dele mesmo assim... ai peguei né? o menino veio com tudo pra cima de mim e a mamae do lado de dizendo: não apanhe! Bata nele tb!!! Mulher ficamos os dois no meio da rua (na calçada) se batendo rolando no chão acredita???? Ai a mamae mandou chamar a mae do menino pra mãe dele ver que era eu que tava batendo e não a mamãe.... Resumo da ópera: nunca mais eu apanhei na calçada! kkkkkkkkkkk Cheguei em casa toda roxa, mas a mamãe sempre disse que o menino saiu mais roxo do que eu! kkkkkkkk

Syl - Minha Casinha Feliz disse...

Rsrsrsrsrsrsrs estou imaginando a cena vc brigando com o menino......... mas é impressionante como quando a criança que é a "vítima" se defende, a criança "agressora" recua, não bate mais.... E eu falei pra Julia revidar justamente pra isso: já que com educação a menina não atende, então Julia vai se impor pela força para acabar com essa história.....

Sarah - Overdose de Esmalte disse...

Morri de ir foi com a imagem do post! kkkkkkkkkkkk
Mas as vezes essa é mesmo a única saida... unfortunately!
O Duduzinho uma vez me perguntou: Mamae, se ele me bater, eu posso dar um soco nele?? Pergunta dificil!! Ainda bem que tava se referindo ao proprio tio! kkkkk (calma, o tio não espanca criancinhas... estavam so "brincando"!) kkkkkkkkkk

Lílian Uchoa disse...

Ser mãe deve ser uma tarefa muito difícil! Mesmo com a orientação da mãe, acredito que mesmo criança a gente já tenha uma personalidade formada (ou pelo menos traços dela) e nem toda criança tem essa força pra reagir. Algumas são mais meigas ou sensíveis... Outro dia a Letícia quase apanha de uma menina, menor do que ela, mas com uma personalidade muito forte e agressiva. Ela gritava com a Lelê sem aceitar a opinião dela. Eu retirei a "possível agressora" (rs) do recinto antes de ver alguém se machucar. Não orientei a Letícia a se impor (e ela fez isso do jeitinho dela) por receio dela se machucar. Mas o pai dela viu tudo e ficou quietinho também. Então fiz o que eu considerei melhor pra elas naquele momento mas também não sei se fiz certo.

Syl - Minha Casinha Feliz disse...

Sarah, já estava pensando em denunciar o tio pro conselho tutelar............rsrsrsrsrsrs........ mas realmente é um dilema esse de ensinar os filhos a revidar ou não.....

Beijossssssss

Syl - Minha Casinha Feliz disse...

Lílian, acho que vc fez muito bem pq era uma saia justa, né? Afinal, é a "filha alheia"...... isso me lembra o episódio quando o tio Peter faleceu (o pai da Margaret, da Marcília e do James) e a caminho do enterro a Carol (tinha 5 anos) e a Heloísa (tinha 9 anos) me fizeram um monte de perguntas sobre morte...... Se é difícil esse tipo de situação com os nossos filhos, imagina com os filhos dos outros.......

Beijos!

Anônimo disse...

Oi, so hj vi teu blog e quero comentar.
Isto acontece com toda mae e crianca, eu acho, pque no meu caso, quem tirou satisfacoes fui eu, hahaha na frente da mae..nao aguentei, mas o caso foi assim. Minha filha no jardim 1 , chegava em casa e dizia que o menino tal, todo dia apertava o pescoco dela e doia..Eu falei para ela falar com a prof.e ela dizia q tinha falado. Voltava com a mesma queixa e com marcas no pescoco...meu sangue ferveu..fui a escola e falei com prof.Ela disse que ja tinha chamado a atencao do garoto, mas que ele era uma gracinha, e que so gostava da minha filha. Perguntei entao" que maneira de gostar"? e eis que entra o garoto acompanhado da mae...aproveitei e fui na direcao dele, me abaixei, olhei nos olhos dele e falei: Vc nao pode apertar o pescoco de minha filha, nem o rosto, nem em lugar nenhum, sabe por que? pque vc esta machucando e ela esta muito assustada...entao a mae dele falou: O que aconteceu?..contei e ela retrucou: nao, ele nao machuca ninguem, ele so gosta dela e vive falando nela..respondi bem tranquila que ela estava machucada e era uma brincadeira muito grosseira e perigosa..a mae riu e saiu apressada. Sabe o que aconteceu? Minha filha nunca mais falou no menino e disse que ele nunca mais veio querer aperta-la. FIM...resolvi eu mesma. Acabei com esta fofoca, pque senti q a prof. tinha algum melindre em falar por a mae ser medica...ai, ai.
No teu caso...va fundo, fale direto com a menina na frente da mae, com voz suave que tudo da certo...bjos
marilia-b.c

Syl - Minha Casinha Feliz disse...

Oi Marília, obrigada por sua visita. Gostei muito da sua sugestão, você resolveu com a criança sem assustá-la ou ameaçá-la e apenas porque quem poderia intermediar (a professora) não tomava nenhuma providência. Nunca mais a Julia chegou com queixa da menina, mas também não teve mais oportunidade de ficar com ela (elas não são da mesma sala). Mas, caso se repita, vou tentar usar sua tática.

Venha sempre aqui compartilhar suas experiências.

Beijos!