quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A Novela do Enem

Mais um capítulo na novela do Enem. Eu fico impressionada com tantas confusões envolvendo essa prova. Sinceramente, não lembro de nenhum vestibular tão conturbado.

Não estou aqui defendendo o Colégio Christus, estou aqui como expectadora da história. Fiquei impressionada com o ocorrido e ainda estou tentando entender como aconteceu.

Imagem retirada de: linkatual.com


O fato é que as questões eram iguais. Isso é indiscutível. Mas como foram parar na apostila da escola? Para mim houve vazamento, em algum ponto houve vazamento. Digamos que a escola tenha agido de má fé, digamos que tenha tido acesso de alguma forma às questões, sabendo que as mesmas estariam nas provas. Certo, nesse caso a escola é culpada. Mas se ela teve acesso é porque houve vazamento, houve falha no processo todo. Então a escola não é a única culpada. E eu custo a acreditar que uma escola tão tradicional e com tantos alunos, iria colocar as questões propositadamente para seus alunos tirarem vantagem disso. Sem levar em consideração o que prega a filosofia da escola, eu diria que seria no mínimo muita ingenuidade dos diretores achar que isso não viria a público.

Já li em vários locais que as questões estavam no banco de dados da escola, formado por questões sugeridas por  professores, alunos e ex-alunos e que por isso poderiam ser oriundas do pré-teste do Enem (que teve a participação de alunos do Colégio Christus). Vamos considerar que um aluno passou a informação da questão para a escola. Aluno é culpado e escola, se sabia a origem da questão, também é culpada. E o INEP? Culpado também. Criou um sistema de avaliação com uma falha grave: depender da ética de alunos diversos, sem conhecer o histórico e a personalidade deles para saber se merecem a confiança de ter alguma questão antecipada.

Se a escola é culpada, e isso a investigação da Polícia Federal vai esclarecer, ela vai ser punida (espero!). Mas não podemos esquecer a punição que está sendo dada à todos os alunos do Colégio Christus. A prova deles foi anulada e eles terão que refazer. Estou solidária demais à indignação deles. Eles têm culpa? Não!

Além disso, quem garante que somente eles tiveram acesso a essas questões? Ora, alguém pode ter compartilhado com um primo, um amigo, um vizinho de outra escola. E basta um pra quebrar o princípio da isonomia. Além disso, talvez algum aluno do colégio não tenha nem visto essas questões antes da prova. Acho que o mais lógico e justo seria anular as questões coincidentes. Claro que essa solução vai deixar algumas pessoas insatisfeitas, mas numa situação dessas é impossível agradar a todos. Só não se pode deixar que mais de 600 alunos sejam prejudicados por algo que eles não fiizeram.

E acho que já está na hora do governo repensar o Enem. Acho interessante a idéia do Enem, mas alguma coisa na fórmula precisa ser revista pois é óbvio que não está funcionando.....
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário: